4_graduate.png

          

Do Kinetoscope ao Kinetoscópio: variações sobre o mesmo tema

Resumo: Revisão bibliográfica e analítica sobre a apresentação do kinetoscópio na cidade de São Paulo em 1895.

No final da década de 1970, Maximo Barro, como declarou em 1987, conseguiu publicar sua pesquisa sobre a primeira sessão de projeções na tela com ingresso pago na cidade de São Paulo, realizada pelo fotógrafo de profissão Georges Renouleau. 

 

Logo depois, em 1981, foi a vez de Vicente de Paula Araújo lançar ao público o seu trabalho sobre o mesmo tema, Salões, circos e cinemas de São Paulo, editada pela Perspectiva, casa que lançara seu primeiro livro, tratando do cinema dos primórdios no Rio de Janeiro. O projeto historiográfico de ambos era eminentemente cronológico porém, para infelicidade de Araújo, o seu começava, em 1897, com o Vitascope (Vitascópio), inventado nos laboratórios de Thomas Alva Edison, e apresentado aos paulistanos pelo professor Kij. O engano de abordagem cometido por Araújo derivava de dois fatores. De um lado, os historiadores, naquele momento, tinham uma carência de documentação confiável, fosse aquela ainda dispersa pelos arquivos de particulares ou, se organizada, de difícil acesso, como acontecia com os ricos acervos cariocas de Adhemar Gonzaga e Pedro Lima, ou do distante Peri Ribas, em Pelotas, fosse pela falta de estrutura das cinematecas (Brasileira e do MAM), em fase de constituição dos seus arquivos filmográficos e bibliográficos. 

good
DOWNLOAD DO ARTIGO COMPLETO

linkchecking powered by Union Development