logo mnemocine

hitch.png

           facebookm   b contato  

Acervos audiovisuais e práticas de preservação

Acervos audiovisuais e práticas de preservação

Apresentamos aqui a nova seção (1) de Mnemocine dedicada às práticas de preservação, à história e ao funcionamento dos acervos audiovisuais. 

Iniciamos com uma breve introdução sobre o tema e a indicação de referências de pesquisa que serão continuamente atualizadas. Em seguida, abrimos o espaço para a publicação de textos mais detalhados e ao acompanhamento dos debates e iniciativas nessa área.

Trazemos ainda o glossário(2) de termos especializados, uma importante colaboração de Fernanda Coelho, a quem agradecemos imensamente.

 ...

Apresentação

Instituições de referência

Bases de dados em Mnemocine

Obras disponíveis em pdf

Revistas digitalizadas 

Sites e blogs

Teses e dissertações

Notas

  

Glossário de termos (arquivo pdf GlossarioFernandaCoelho)

...

 

 

Apresentação

As questões relacionadas à preservação muitas vezes são consideradas secundárias no mundo acadêmico e na cadeia produtiva da indústria audiovisual.

Nessa trajetória, mesmo diante de tantas limitações, a abordagem dos suportes cinematográficos acumulou subsídios teóricos e técnicos, norteando as atividades de instituições especializadas. Ao mesmo tempo que permanece urgente a salvaguarda desses acervos, as tecnologias digitais apresentam novos desafios e possibilidades a serem exploradas.

Ao contrário de países com maior respeito pela cultura e a arte, e respectiva destinação de recursos para as instituições responsáveis, no Brasil a situação sempre foi preocupante.

Por outro lado, tem sido notável o crescimento das pesquisas acadêmicas sobre o tema e a atuação de organizações como ABPA, ABD,Forcine ou SOCINE, entre outras, com o Festival de Ouro Preto se tornando um dos principais pontos de encontro.

A recomendação de que a preservação se torne uma disciplina nos cursos superiores de cinema (audiovisual), fortalece essas perspectivas (na prática, ainda incipiente).

As reflexões sobre esse tema se tornaram mais urgentes diante da crise que atinge a Cinemateca Brasileira nos últimos anos, tendo seu ápice em meados de 2020 com a intervenção arbitrária do governo federal levando a demissão dos funcionários e ao fechamento completo da instituição.

Ainda que sem a mesma visibilidade, outras importantes instituições do país também enfrentam dificuldades. Mas a interrupção das atividades e desligamento de profissionais altamente especializados (por isso, nem a substituição seria possível) talvez seja um episódio inédito no mundo. Além do comprometimento de suas atividades continuadas, coloca em risco iminente seu vasto acervo audiovisual.

Buscando contribuir com esses debates, Mnemocine convida colaboradores e se coloca à disposição para apoiar as iniciativas nesse campo.

 

 

Instituições de referência

 

- ABPA (Associação Brasileira de Preservação Audiovisual) - http://www.abpreservacaoaudiovisual.org/site/

Cinemateca Francesa- http://www.cinematheque.fr

Cinemateca Brasileirahttp://www.cinemateca.gov.br

FIAF (International Federation of Film Archiveshttp://www.fiafnet.org

-National Film Preservation Board of the Library of Congresshttps://www.loc.gov/programs/national-film-preservation-board/film-registry/

The Association of Moving Image Archivists- http://www.amianet.org

 

 

Bases de dados

Mnemocine publicou 2 bancos de dados desenvolvidos por José Inácio de Melo Souza de grande utilidade em pesquisas:

Banco de Teses do Cinema Brasileiro – atualizado anualmente 

Cinema Silencioso - filmes estrangeiros exibidos no Brasil entre 1896 e 1916

 

Obras disponíveis em pdf

  • Filosofia e princípios da arquivística audiovisual, de Ray Edmondson

http://www.abpreservacaoaudiovisual.org/site/

O Dilema digital 1 - questões estratégicas na guarda e no acesso de materiais cinematográficos digitais

http://cinemateca.gov.br/sites/default/files/Dilema_Digital_1_PTBR.pdf

 - O Dilema Digital 2 -Perspectivas de cineastas independentes, documentaristas e arquivos audiovisuais sem fins lucrativos

http://cinemateca.gov.br/sites/default/files/Dilema_Digital_2_PTBR.pdf

 

Revistas digitalizadas 

- Scena muda: http://www.bjksdigital.museusegall.org.br/busca_revistas.html

- Cineartehttp://bndigital.bn.gov.br/hemeroteca-digital/


Sites e blogs

Lila Foster:https://nitratoacetatopoliester.wordpress.com/about/

Rafael de Luna: http://preservacaoaudiovisual.blogspot.com.br

Laboratório de Preservação Audiovisual – UFF: http://www.cinevi.uff.br/lupa/


Teses e dissertações

CESARO, Caio Julio. Preservação e restauração cinematográficas no Brasil: a restauração do acervo de Hikoma Udhiara. Campinas: Tese (Doutorado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007. Disponível em: http://cutter.unicamp.br/document/?code=vtls000448683

COELHO, Maria Fernanda Curado. A experiência brasileira na conservação de acervos audiovisuais: um estudo de caso. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Ciência da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/File/dissertacoes/2009/2009-me-coelho_maria.pdf

CORREA JUNIOR, Fausto Douglas. Cinematecas e cineclubes: cinema e política no projeto da Cinemateca Brasileira (1952 – 1973). Assis: Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciência e Letras, Universidade Estadual Paulista, Assis, 2007. Disponível em: http://polo3.assis.unesp.br/posgraduacao/teses/historia/faustodouglascorreajunior.pdf

COSTA, Alessandro Ferreira. Gestão arquivística na era do cinema digital: formação de acervos de documentos digitais provindos da prática cinematográfica. Belo Horizonte: Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/VALA-74QHGG/1/doutorado___alessandro_ferreira_costa.pdf

FOSTER, Lila Silva. Filmes domésticos: uma abordagem a partir do acervo da Cinemateca Brasileira. São Carlos: Dissertação (Mestrado em Imagem e Som) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010. Disponível em: http://www.bdtd.ufscar.br/htdocs/tedeSimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=2965

FREITAS, Jussara Vitoria de. Laboratório cinema e conservação: conservação preventiva e gerenciamento da informação. Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/JSSS-848G3N/1/disserta__o_jussara_vitoria_de_freitas.pdf

FURST, Alexandre. Vulnerabilidade de películas cinematográficas: manuseio, conservação, digitalização (desenvolvimento de CD-ROM). Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/JSSS-7WNHJG/1/dissertacao_alexandre_furst_vulnerabilidade.pdf

FUTEMMA, Olga Toshiko. Rastro de perícia, método e intuição: descrição do arquivo Paulo Emilio Salles Gomes. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Ciência da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/File/dissertacoes/2006/2006-me-futemma_olga.pdf

MATTOS, José Francisco de Oliveira. A representação por palavras do conteúdo de imagens em movimento: uma perspectiva documentária. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Ciência da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MOURA, Simone Rolim. Entre memória e preservação: uma etnografia sobre a implantação da Cinemateca Capitólio, em Porto Alegre – RS. Porto Alegre: Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/13813/000651578.pdf?sequence=1

NOGUEIRA, Soraia Nunes. A imagem cinematográfica como objeto colecionável: o colecionador na era digital. Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/VPQZ-6ZHQ7F/1/dissertacao_soraia_nunes_nogueira.pdf

PEREIRA, Marcelo (La Carretta) Enrique López da Cunha. Cinema: memória audiovisual do mundo. Belo Horizonte: Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2005. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/1843/VPQZ-73BJW9/1/cinema_mem_ria_audiovisual_do_mundo.pdf

POUGY, Alice. A Cinemateca do MAM e os cineclubes do Rio de Janeiro: formação de uma cultura cinematográfica na cidade. Rio de Janeiro: Dissertação (Mestrado em História). Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 1996.

QUENTAL, José Luiz de Araújo. A preservação cinematográfica no Brasil e a construção de uma cinemateca na Belacap: a Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (1948 – 1965). Niterói: Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto de Artes e Comunicação Social, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010

REISEWITZ, Lúcia. O acervo cinematográfico brasileiro como recurso ambiental: direito à preservação da memória, ação e identidade do povo brasileiro. São Paulo: Dissertação (Mestrado em Direito). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2000.

SOUZA, Carlos Roberto. A Cinemateca Brasileira e a preservação de filmes no Brasil. São Paulo: Tese (Doutorado em Ciência da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.pos.eca.usp.br/sites/default/files/File/dissertacoes/2009/2009-do-souza_carlos.pdf

Fontes: Banco de Teses Mnemocine e citações do blog de Silvia Franchini;

 

 

Notas

1) Publicamos inicialmente (20/11/20) um único “artigo”, como “teste”, convidando nossos colaboradores para incluir revisões de conteúdo e formato editorial. Em seguida, a partir da home, será apresentada como uma seção temática, com página de abertura e links de acesso para cada tópico.

2)glossário é um dos anexos de sua dissertação de mestrado (publicada pela Editora Mnemocine). O rigor da pesquisa e a precisão dos dados o torna extremamente relevante para estudantes e pesquisadores. Buscando maior visibilidade desse conteúdo, Mnemocine solicitou autorização para publicação, o qual foi gentilmente cedida pela autora. Nossa contribuição se deu na adaptação para o formato digital, facilitando o acesso aos verbetes e às referências internas. (edição: Ana Key Kapaz e Flavio Brito).